LUXAÇÃO DE OMBRO

REABILITAÇÃO

DO PACIENTE

LUXAÇÃO

DA CLAVÍCULA

TRATAMENTOS

DA LUXAÇÃO

previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow
Slider

LUXAÇÃO DE OMBRO

A luxação do ombro é a perda do “encaixe” do ombro. Essa patologia ocorre com mais frequência entre os praticantes de “esportes overhead” (aqueles em que o braço se movimenta acima da cabeça), tais como: tênis, natação, vôlei, rugby, crossfit, etc.
A doença também pode ser vista em pacientes que apresentam algum histórico de trauma, podendo apresentar a Lesão de Bankart e Hill-Sacks, como resultado de um episódio de luxação. O exame clínico, a história, a frequência e a forma de redução da luxação são muito importantes para o diagnóstico e tratamento.

Reabilitação do Paciente com Luxação de Ombro

Uma vez feito o diagnóstico de luxação por frouxidão do ombro, inicia-se uma reabilitação prolongada, com ênfase no fortalecimento do manguito rotador, deltóide e musculatura escapulotorácica, com 80 a 90% de bons resultados.

Tipos de Tratamento da Luxação do Ombro

A luxação de ombro pode ser tratada com medicamentos como anti-inflamatórios não esteroides ou analgésicos, aliviando a dor e diminuindo a luxação.

A fisioterapia varia com a necessidade e a causa da dor do paciente. Dentre os mais tratamentos mais conhecidos, estão: Cinesioterapia, Crioterapia, Eletroterapia, Hidroterapia e Hidroterapia.

Na falha do tratamento fisioterápico, é indicado o tratamento cirúrgico, que pode ser antecipado conforme o quadro clínico do paciente. Nos casos de instabilidade traumática, existe a indicação de correção cirúrgica por via artroscópica, minimamente invasiva e de fácil reabilitação.

LUXAÇÃO DE CLÁVICULA

As luxações acromioclaviculares correspondem a 10% das luxações na região do ombro. O sexo masculino é o mais afetado (5:1), e as lesões são mais comuns na segunda década de vida. A lesão é quantificada segundo o seu desvio e achado de exames de imagem. Essa graduação varia de I a VI.
O tratamento das luxações varia de acordo com a severidade e o tempo de evolução da lesão. Nas lesões agudas tipos I e II, há consenso na literatura sobre o tratamento conservador. O tratamento recomendado inclui o uso de analgésicos e imobilização em tipóia até a melhora da dor. As lesões agudas tipo III ainda não possuem um consenso a respeito do seu tratamento.
A maioria dos estudos comparando resultados de tratamentos não-cirúrgicos e cirúrgicos encontra-se bons e excelentes resultados em ambos os grupos. Na minha opinião, opto pelo tratamento cirúrgico destas lesões. As lesões agudas tipo IV, V, VI são tratadas cirurgicamente.
As luxações não-reduzidas, sintomáticas e crônicas são tratadas preferencialmente pelo método cirúrgico. A técnica utilizada por mim, combina a transferência do ligamentar  associada a técnica de fixação percutânea da articulação.
O tratamento por via artroscópica ainda não traz resultados seguros e apresenta alto índice de recidiva.

Entre em Contato

Reserve um horário com o dr. Marcio Kozonara, que é médico especialista em ombro e cotovelo.

Itaim Bibi

  • Clínica Ortholife
  • R. Bandeira Paulista, 662 – 8º Andar – Conj. 83 – 04532-002 – Itaim Bibi – São Paulo – SP.
  • Tel: (11) 3078-50883078-8266
  • WhatsApp: (11) 96442-3660

Moema

  • Instituto NAEON
  • Av. Ibirapuera, 2144 – 8º Andar – Conj. 82 – 04029-000 – Moema – São Paulo – SP.
  • Tel: (11) 2649-9728
  • WhatsApp: (11) 94540-9553